Insolação solar: sintomas e prevenção no local de trabalho

A exposição solar é um dos fatores mais importantes a considerar no âmbito da segurança do trabalho, especialmente nos meses mais quentes e em trabalhos no exterior. As profissões mais afetadas incluem: trabalhadores da construção civil, agricultores, horticultores, pescadores, jardineiros, estafetas, recolhedores de lixo, entre outros.

A exposição à radiação ultravioleta (UV) do sol pode danificar a pele e causar queimaduras solares, envelhecimento prematuro da pele, e cancro da pele. Pode também levar a lesões e doenças oculares, tais como cataratas.

Neste blog post, vamos explorar quais os principais perigos da exposição solar, com especial foco na insolação solar, os seus sintomas e medidas de prevenção no local de trabalho.

Um perigo para a saúde humana

O principal perigo associado à exposição solar prende-se com a exposição a um tipo específico de radiação – a radiação ultravioleta (UV). A radiação UV é absorvida pelas células da pele e danifica o crescimento e aparência da pele.

A exposição prolongada a raios UV leva ao aparecimento das queimaduras solares, um fenómeno muito comum entre os banhistas, mas também muito frequente no local de trabalho. Após uma exposição solar prolongada, a pele poderá ficar com cor vermelho vivo dentro de 15 a 20 horas. Para além de provocar dor e esfolamento da pele, esta exposição, especialmente a longo prazo, poderá estar ligada ao aparecimento de cancro de pele. É importante lembrar que se pode ficar com estas queimaduras mesmo em dias nublados.

Mas as queimaduras solares são apenas um de muitos problemas associados à exposição aos raios UV. Algumas outras possíveis complicações são:

  • Envelhecimento precoce da pele
  • Cancro da pele
  • Danos oculares
  • Insolação

Insolação: um perigo silencioso

A insolação é uma complicação de saúde grave que ocorre após exposição solar prolongada. Embora a insolação afete pessoas de qualquer idade, é uma causa de risco especialmente elevada para crianças e os idosos. Geralmente, observam-se mais casos de insolação em situações de esforço físico em ambientes quentes e sob exposição solar, como o caso de atletas, soldados e profissões ao ar livre.

Numa situação de insolação, a temperatura corporal sobe acima 40 graus Celsius, uma vez que os mecanismos de termorregulação do organismo falham e colocam os órgãos em perigo, constituindo uma ameaça potencialmente fatal.

Com o aumento gradual das temperaturas, tem-se observado a existência de mais fatalidades associadas à insolação, pelo que este tópico deve ser endereçado com seriedade tanto pelos empregadores como pelos funcionários.

Quais os sintomas da insolação?

Num local de trabalho que corresponda às condições de risco (sob exposição solar e temperatura ambiente elevada), é essencial fomentar o reconhecimento dos sintomas da insolação, para se garantir uma resposta rápida a esta emergência médica.

No caso de observar alguém que exiba alguns dos seguintes sintomas, ligue imediatamente para o 112:

  • Dores de cabeça intensas
  • Sensação de muito calor, mas incapacidade de transpirar
  • Pele muito seca e quente
  • Temperatura corporal acima dos 40ºC
  • Respiração rápida
  • Pulsação forte
  • Confusão
  • Desequilíbrio
  • Fraqueza
  • Perda de consciência

A incapacidade de resposta a uma situação de insolação pode levar à falência dos órgãos da vítima, a um coma ou à morte.

Após acionar os meios de socorro, deverá ainda realizar alguns primeiros socorros. Leve a vítima para um local com sombra e remova algumas peças de roupa, arrefecendo a vítima com água fresca ou ventilação. É importante procurar arrefecer a vítima na medida do possível enquanto aguarda pela chegada do INEM.

Prevenção da insolação

A insolação é previsível e evitável. Portanto, deve ser encarada como uma prioridade na segurança do trabalho. Abaixo, listamos uma série de recomendações para prevenir a insolação no local de trabalho.

Permitir que os trabalhadores façam pausas regulares em áreas mais frescas e com muita sombra.

Fornecer água fresca em quantidade suficiente durante todo o período de trabalho, para garantir a hidratação e redução da temperatura corporal.

Prevenir as queimaduras solares, uma vez que estas afetam a capacidade de arrefecimento do corpo. Os trabalhadores devem usar vestuário de proteção adequado que não seja demasiado pesado e reaplicar protetor solar a cada duas horas.

Na medida do possível, procurar ajustar o horário de trabalho para não coincidir com as horas de maior calor e exposição solar.

De acordo com a Agência Europeia para a Segurança e Saúde no Trabalho, quase 3 em cada 4 acidentes mortais por exposição ao calor ocorrem durante a primeira semana de trabalho da vítima. Deverá garantir um período de aclimatação ao calor aos novos trabalhadores ou aos que regressam de férias, porque o corpo precisa de algum tempo para se adaptar às temperaturas quentes.

Conclusão

A insolação deve ser tratada como uma prioridade pelos trabalhadores que operam no exterior e pelos seus empregadores. Conhecer as causas e sintomas da insolação pode salvar vidas, e é essencial que os empregadores procurem prevenir a insolação no local de trabalho.

Na loja M&M Protek, encontrará uma ampla gama de vestuário de trabalho fresco e transpirável, que promove que os trabalhadores se mantenham mais frescos e consigam regular mais eficazmente a temperatura corporal, prevenindo a insolação.

Se precisar de assistência na escolha deste vestuário, fale connosco! A nossa equipa de especialistas está pronta para ajudá-lo a escolher o melhor material de proteção individual. Pode contactar-nos pelo 253 599 521 ou enviar-nos um e-mail para o geral@mmprotek.pt.

5 dicas para garantir a segurança e alta visibilidade no trabalho durante o Verão

Os Verões quentes podem ser prejudiciais para a sua saúde no local de trabalho. Esta situação torna-se ainda mais grave quando se tem de trabalhar em locais perigosos, tais como indústrias da construção e petrolíferas. Estes trabalhos exigem um árduo esforço físico, o que faz com que o corpo aqueça. Isto pode levar à desidratação, o que se torna mais provável quando os trabalhadores usam EPIs (Equipamento de Proteção Individual) desadequados.

Mas o calor não é desculpa para desleixos em situações de condições de trabalho mais perigosas. O calor pode ser tão prejudicial para o corpo humano como o frio e é fácil ignorar os sinais até ocorrer uma situação grave. O vestuário de alta visibilidade, essencial em diversos trabalhos, por vezes não é o mais adequado para situações de temperaturas elevadas. Felizmente, a M&M Protek apresenta uma grande seleção de vestuário de alta visibilidade que foi concebido para ser usado nos meses de Verão.

Neste artigo, vamos explorar cinco dicas importantes para assegurar a segurança e alta visibilidade no trabalho durante o Verão.

Construímos Segurança: o E-Book que não vai querer perder

Qual o significado da normal EN 388? Quais as diferenças entre os vários tipos de calçado de segurança? Qual a diferença entre EPI’S e EPC’S? Qual a importância, os diferentes tipos e onde comprar sinalização de segurança no trabalho?

Descubra estas e tantas outras respostas num e-book com os melhores artigos do nosso blog, para que possa contar sempre com o melhor aconselhamento e apoio técnico especializado na área da segurança e higiene no trabalho. As últimas dicas estão à distância de um “clique”: comece já a descomplicar as situações difíceis. 

O que é a proteção ESD e qual a importância no local de trabalho?

A segurança ESD é de extrema importância em muitas indústrias que incluem a utilização de equipamentos eletrónicos sensíveis e que têm uma grande proximidade com os mesmos. Graças aos esforços das entidades reguladoras como a ISO, estão em vigor normas de segurança ESD que servem de guia às empresas que pretendem melhorar a produção, eficiência e segurança no local de trabalho.

O que é ESD?

ESD significa Electrostatic Discharge (Descarga Eletrostática). Eletricidade estática é uma carga elétrica que está em repouso. Esta é criada principalmente pelo desequilíbrio de eletrões que permanecem numa superfície específica, ou no ar. Este desequilíbrio (que é causado pela ausência ou excesso de eletrões) provoca assim um campo elétrico capaz de influenciar outros objetos à distância.

Qual o significado da norma EN 388?

Na M&M Protek, encontrará diversas luvas de proteção e de trabalho que cumprem a norma EN 388:2016. Mas sabe o que significa exatamente esta norma?

Nem sempre é fácil compreender todos os diferentes pictogramas, normas e padrões de qualidade. Com a ajuda deste artigo, encontrará e compreenderá mais facilmente as informações necessárias em cada embalagem e ficha técnica, para que possa fazer a escolha certa ao comprar luvas de proteção.

Siga sempre as instruções do manual para garantir que o produto é utilizado de forma correta.

7 Benefícios do uso de fardas e uniformes de trabalho

As fardas e uniformes de trabalho, tanto industriais como empresariais, podem reforçar a estrutura e coesão de qualquer organização. A importância de usar uniformes no trabalho não se limita à mera criação da identidade da marca – também pode ter benefícios práticos, como o caso do vestuário de proteção, que aumenta a segurança dos trabalhadores e melhora o seu conforto e produtividade.

Independentemente da sua área de negócio, a sua empresa irá provavelmente beneficiar da adopção de fardas e uniformes de trabalho. Continue a ler para conhecer os principais benefícios associados à utilização deste vestuário.

Calçado de segurança S1, S2, S3: quais as diferenças?

Os pés são a base do corpo, indispensáveis em praticamente tudo o que fazemos. Mas também são muito vulneráveis, especialmente em situações de maior risco que ocorrem frequentemente em determinados trabalhos.

Escolher o melhor calçado de segurança pode ser desafiante, pois há muitos fatores a considerar no âmbito da segurança e conforto. Muitos locais de trabalho estabelecem requisitos específicos de classe de segurança para o calçado de segurança que devem ser seguidos pelos funcionários.

Neste guia, vamos explorar as diferentes classificações para calçado de segurança, para que consiga fazer a escolha acertada e garantir o nível correto de proteção para os seus pés.

Segurança do Trabalho na Construção Civil. Saiba mais.

Um pouco sobre a segurança do trabalho na construção civil.

A segurança do trabalho na construção civil é uma das questões mais sérias e preocupantes do setor.

Apesar de ser um dos setores económicos que tem crescido, criado empregos e com um forte contributo para o desenvolvimento da economia, é também o segmento de maiores índices de acidentes no país, ocupando o 2० lugar em fatalidades, de acordo com a PORDATA.

Em sua última atualização, entre 2000 e 2018 foram registrados cerca de 786 mil acidentes de trabalho em Portugal, felizmente, são números que vêm reduzindo ao longo dos anos através das estratégias de higiene e segurança no trabalha implementadas pelas empresas do sector.

Uma das maiores causas relacionadas à estes altos índices é a negligência quer por parte de alguns gestores e líderes de empresas do ramo, como, e em grande parte, por desleixo dos funcionários no uso do equipamento básico de segurança, que lhes é fornecido, comprometendo as condições de segurança.

Outros fatores como a situação física e estrutural das construções e aspetos ambientais, os fatores humanos e psicológicos também contribuem para as causas deste problema. Assim, como medida de diminuição de riscos e aumentar a segurança, é fundamental a implementação de normas e hábitos na rotina daqueles que trabalham nesse setor.

Para que entenda melhor como funciona a segurança do trabalho na construção civil, siga este artigo com dicas e informações para a prevenção de acidentes no setor.

seguranca-trabalho-construcao-civil3

A maioria dos acidentes que ocorrem podem ser evitados, desde que se respeitem e cumpram as normas de segurança do trabalho na construção civil.

Mas, a negligência por parte das empresas responsáveis e pelos próprios trabalhadores, que muitas vezes também ignoram os procedimentos, acaba por colocar em a segurança e vida dos trabalhadores.

Veja abaixo, as principais causas de acidentes por parte da negligência da segurança do trabalho na construção civil:

1 | NEGLIGÊNCIA

Obviamente todas as causas abaixo apontadas fazem parte se uma série de atitudes que são negligenciadas, quer por parte de alguns responsáveis pela obra, mas em grande parte pelos próprios trabalhadores, que apesar do esforço das entidades empregadoras em garantir a sua proteção, descuidam-se ou muitas vezes rejeitam mesmo o uso destes mesmos equipamentos de segurança. É assim a falta de cumprimento das normas de segurança do trabalho na construção civil o grande culpado.

2 | FALTA DE FORMAÇÃO

Muitas vezes, a falta de tempo e prazos apertados faz com que se queimem etapas importantes no decorrer de uma obra. A falta de formação ou pessoal especializado também pode contribuir para aumentar os riscos de acidentes, pois, para desempenhar uma boa função é preciso informação, habilidade e experiência. É a formação que vai garantir que tudo saia dentro dos conformes e de uma forma segura.

3 | QUEDAS DE TRABALHADORES E MATERIAIS

Um dos acidentes mais comuns em obras são as quedas de nível, seja de um andar para outro, ou até de mesmo nível. Por isso, toda obra que exija trabalho em altura deve seguir o Regime Jurídico da Segurança e Saúde no trabalho e o Decreto-Lei nº 50/2005, de 25 de fevereiro, que estabelecem as prescrições mínimas de segurança e de saúde para a utilização de equipamentos de trabalho, no que concerne à tipologia de estruturas temporárias para trabalhos em altura, aos elementos constituintes de andaimes, escadas e critérios de segurança para a utilização montagem e desmontagem de andaimes de fachada, multidirecionais, móveis, de pés fixos, bem como as técnicas de utilização dos equipamentos e regras de progressão, posicionamento, fracionamento e ancoragem no acesso por cordas, resgate e a manutenção dos equipamentos.

Neste caso, o trabalhador deve ter atenção máxima, pois pequenos erros ou qualquer falta de atenção pode ter sérias consequências e causar graves lesões.

Outro risco muito alto são as quedas de materiais de construção, como tijolos, azulejos, blocos e ferramentas pesadas. Em ambos os casos, a prevenção através dos equipamentos básicos, como capacete, luvas e botas reforçadas são obrigatórios.

Além disso, as funções realizadas acima de 3 metros de altura, exigem o uso de equipamentos de proteção coletiva (EPCs) como cintos tipo paraquedista e dispositivos para conexão em sistemas de ancoragem fixos, plataformas de segurança ou andaimes sob pisos nivelados e estáveis, guarda-corpo, rodapés e telas de proteção.

Além disso, o trabalhador deve evitar transitar por áreas com cargas suspensas e manter distância de içamentos.

4 | DESORGANIZAÇÃO E FALTA DE SINALIZAÇÃO

A desorganização também é um fator que contribui muito para o aumento do risco de acidentes em obras. Por isso, é essencial manter os equipamentos e ferramentas guardados em local seguro. Assim como a limpeza do espaço e o mesmo ter o tamanho adequado para circulação de pessoas e descarga de materiais devem ser primordiais.

Ou seja, nada de deixar restos de materiais (produtos químicos, pregos, tábuas, etc.) pelo chão a obstruir o caminho e colocando em risco de lesão quem se encontra em movimento e possa embater com os mesmos.

Da mesma forma, placas, luminosos, cones, sinais sonoros, fitas de sinalização devem estar presentes no local da obra para informar sobre os riscos e pontos de atenção para não causar acidentes.

5 | MAU USO DE EQUIPAMENTOS

Os equipamentos e ferramentas podem também podem causar lesões graves, caso não sejam manuseados da forma correta. Por esta razão, a formação  para a utilização dos mesmos é muito importante, assim como obedecer à forma adequada de uso de cada ferramenta, além do material de proteção. Os funcionários devem também ser capacitados para operar certas ferramentas específicas.

6 | CHOQUES ELÉTRICOS

São diversos os equipamentos envolvidos em obras que utilizam a eletricidade para operar. Mas, muitas vezes, o equipamento não se encontra em condições ideais de uso, que seja por mau uso, armazenamento indevido, mau estado, entre outros. Neste caso, poderá causar choques elétricos e colocar a vida de quem o manusear em risco.

Muitas vezes, os fios e instalações elétricas ficam desprotegidas ou mal feitas, podendo causar acidentes com choques. Por isso, apenas especialistas em energia elétrica, devem utilizar ou preparar estes equipamentos, como o eletricista.

7 | DOENÇAS DE PELE E QUEIMADURAS

Além dos choques, há os riscos de dermatoses e alergias cutâneas, causadas pelo contato e manuseamento de materiais tóxicos ou muito abrasivos como cimento, cal, argamassa, entre outros, sem a devida proteção.

As queimaduras também são comuns, devido aos agentes químicos presentes nestes materiais de obra. É importante também proteger o nariz para evitar de inalar muitos desses produtos e causar danos ainda maiores ao organismo, como intoxicação e problemas respiratórios.

8 | FALTA DE ATENÇÃO

Por fim, uma das causas mais comuns e banais é pura e simples, falta de atenção do próprio trabalhador ao desempenhar suas funções. Na maior parte dos casos, decorre do trabalho repetitivo que se torna automático, fazendo com que o trabalhador não dê a atenção necessária ao que está a fazer. Para que a segurança do trabalho na construção civil seja eficiente, a concentração e o foco do indivíduo é fundamental.

Assim, deve-se evitar a imprudência, negligência ou falta de perícia, grandes causadoras de acidentes na construção civil.

Por isso, deixe a descontração para o horário de pausa.

 

ALGUMAS SOLUÇÕES DE EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO INDIVIDUAL

(Clique sobre as mesmas)

Proteção CabeçaCalçado de PorteçãoLuvas de ProteçãoEquipamentos Anti QuedaProteção RespiratóriaProteção OcularProteção Auditiva

Chuveiros e lava-olhos

Sinalização